Mais pontes? Mais viadutos? Mais asfalto? Promessas não cumpridas?
Tá bom, eu explico a piada. Esse não é o Maluf, é o Serra, ou uma simbiose dos dois, uma reencarnação de um zumbi em outro.

Serra abandonou a prefeitura a própria sorte para se candidatar a governador e desde então tem feito obras faraônicas para agradar seus amigos que talvez invistam em sua campanha para candidatar-se a presidente, um último ato de uma elite apavorada. Ou seja, um homem sem palavra, sem caráter:

– mentiu ao dizer que não abandonaria a prefeitura e ainda por cima disse que nunca mais votassem nele, assim como fez Maluf quando induziu os paulistas a votarem no Pitta, aquele que segundo o slogan da época, “moralizava”;

– é irresponsável ao fazer obras as pressas usando o dinheito público sem discutir com a sociedade, tem fascínio por asfalto, concreto e pedágios;

– reviveu o “estupra mas não mata” paulista, a cidade pode ser usada e abusada ao seu bel prazer contanto que não a mate de uma vez. O mesmo pode ser aplicado para o Rio Tietê e suas margens.

Quem achou que tínhamos nos livrado do Maluf não esperava que este morto-vivo voltaria encarnado na pele pálida de um governador zumbi. Sugiro a todos que passem a tratá-lo apenas como Maluf, pelo menos é o que eu tenho feito.

P.S: Fiz as artes depois de ver este pixo em uma das pontes da Marginal Tietê.

maluf_01

maluf_02