Fiquei internado este final de ano trabalhando em casa. Não acompanhei quase nada desde Novembro pra cá. O que foi até legal porque tive duas gratas surpresas pedalando por aí. A primeira foi na Lapa. Estou fazendo um curso por lá e tinha que repor aula no meio da semana as 14:00. Não pensei duas vezes, bike. Terminada a aula, vinha eu pedalando quando observo no chão uma bicicleta imensa pintada, putz! Estou na Ciclorota! Coisa boa, mais uma. Depois pedalando pela Mooca também observei as bicicletinhas pintadas por lá e a sinalização vertical alertando sobre a ciclorota.

Pedalei tranquilo nos dois lugares, é óbvio que sempre tem aquele motorista maluco, mas só o fato de haver as bicicletas no chão já legitimam o uso e o cara que antes dizia que lugar de bicicleta é na calçada acaba ficando sem argumento. Compartilhar o trânsito é a melhor saída dentro dos bairros, onde as ruas são mais calmas e não permitem que o motorista abuse muito da velocidade pelas próprias limitações físicas da via. Sem contar que as bicicletas pintadas vão ficando no inconsciente coletivo, me lembro muito bem que quando vi a primeira bicicletinha no chão, a uns bons anos atrás, acreditei que era coisa do poder público, pois estava em uma via de fluxo intenso de carros, tempos depois fui descobrir que era obra de um grande artista e amigo. Mas ao ver aquela bicicleta no chão eu fiquei curioso e fui procurar alguma notícia a respeito, só encontrei o site da bicicletada, rs.

Vamo que vamo!
;)